Sobre

Uma nova Câmara de Comércio da China

 

O Brasil vive um momento de muitas mudanças. A China também. O mundo também. E fazer negócios neste contexto é desafiador. Mas também é o momento de maior abertura.

As empresas chinesas e brasileiras, os governos dos dois países, buscam novos mercados. Para alguns isso pode trazer uma competição – o que é natural.

Mas se a China lidera alguns setores. O Brasil também é líder em vários.

Então a saída é a Parceria.

E para uma melhor parceria é necessário juntar as forças dos dois países.

E nada melhor que fazer isso em torno de uma Câmara de Comércio.

 

 

Uma nova CCDIBC

Assim com este objetivo nasceu, em 2002, a Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC). Entidade que luta pelo desenvolvimento dos dois povos, que se dá por meio dos negócios e da aproximação.

Ao longo destes 15 anos muitos eventos, missões, reuniões, encontros, visitas, muitos e muitos negócios já foram gerados.

A China entrou em novo patamar de desenvolvimento e planejamento com o projeto “Nova Rota da Seda”, liderado pelo presidente Xi Jiping, que engloba aportes de US$ 5 trilhões até 2022, e junta 66 países, quase metade do PIB mundial.

No Brasil, a China já é o maior investidor e parceiro comercial.

Precisamos ver a China como um parceiro estratégico. E aproveitar desta parceria o que é bom para o Brasil e pra a China.

Como esse objetivo, despois desta jornada de trabalho, a CCDIBC entra em novo patamar também.

Unidades CCDIBC

Além de sua sede em São Paulo, localizada num dos endereços mais nobres da cidade, a CCDIBC estenderá suas bases para outros lugares do Brasil. Abrindo novas unidades em parceria com empresários, autoridades e investidores locais (ver como abrir uma unidade aqui).

O objetivo é descentralizar as atividades da CCDIBC para regiões que mais crescem ou são as novas fronteiras no Brasil. Lugares que já possuem investimento chinês ou que precisam receber. E que possuem empresas interessadas em fazer novos negócios com a China.

APOIO CHINÊS

Para que se tenha êxito, a CCDIBC conta com apoios importantes na China, dentre eles:

GOVERNOS:

Pequim (Tianjin, Quingdao), Xangai (Jiangsu, Zhejiang), Guangdong (Guangzhou, Shenzhen, Zhuhai), Zhejiang (Hangzhou), SichuanHarbin, entre outros.

ENTRE AS EMPRESAS ASSOCIADAS À CCDIBC ESTÃO:

China Huayang International Asset Management Co;
Everpower Sheng Tie;
Graphene Technology Co;
China Westrn Power Industrial Co;
Chengdu Huahsi Equity Investment Fund Manegement Co;
Sumo Holding Group;
Taizhou City Hangjie Lamps;
Anhui Guangdong Automobile Manufacturing Limited By Sahre;
Neng Liang Fang Zhou;
Ningbo EverLasting Internacional Logistic Co;


Para uma nova Câmara, queremos ter mais parceiros em todo o Brasil.

Todas as empresas podem se associar e conhecer nossas vantagens.

Conheça nosso programa de associação (ver aqui).

A CCDIBC é sua parceria nesta nova etapa das relações Brasil-China.

Sua empresa, seu estado ou prefeitura, sua entidade ou mesmo você não podem ficar de fora.

Temos as melhores conexões com a China!


Existem muitas Câmaras chinesas. A China é muito grande. Assim existem câmaras muito focadas em regiões específicas da China.

A CCDIBC tem um diferencial, pois já atua há 15 anos no Brasil e na China. Tem uma ampla agenda de realizações.

Nosso objetivo é criar um grupo forte de empresas dos dois países, com foco claro em projetos. Em auxiliar nas tratativas para novos negócios.

Nossa nova missão:

Promover uma Nova Rota Brasil-China com foco na inovação e na tecnologia para o desenvolvimento mútuo, geração de emprego e renda. E na aproximação das culturas e de seus povos. Buscar intercâmbios com base em projetos e resultados concretos. Nas esferas públicas e privadas. Ser uma nova Estrada, dentro de um novo Cinturão que engloba uma nova estrutura de progresso, crescimento e desenvolvimento”.

Nossa visão:

O Brasil e a China são parceiros estratégicos e possuem complementariedades nas suas relações comerciais e culturais. Podem e devem aumentar essa aproximação para o bem de seus povos”.

Nossos valores:

“Criar um ambiente de negócios que tenha como premissas a sustentabilidade, a atenção para o meio ambiente, a troca de experiências, a parceria mútua, a geração de resultados práticos, a consolidação de uma nova forma de desenvolvimento, com bons resultados para ambos, dentro de um contexto de inovação e empreendedorismo, com planejamento e metas.”

Com esta nova Missão, novos Valores e Visão, a CCDIBC inaugura esta nova fase, pois tem claro que a conjunta favorece um novo patamar para as relações Brasil-China.

Nosso objetivo é envolver estes parceiros e dar a estrutura necessária para que esse patamar seja alcançado.

 

POR DENTRO DA CHINA

AS PRINCIPAIS ÁREAS ECONÔMICAS CHINESAS

O Golfo de Bohai, com o eixo PequimTianjin e a sua área da influência econômica (Liaoning, Shandong, Hebei…)

O Delta do rio Yangtzé, com o seu grande centro em Xangai e a sua área da influência econômica (Jiangsu, Zhejiang…)

O Delta do Rio das Pérolas, com a província de Guangdong (áreas econômicas especiais de Guangzhou, Shenzhen, Zhuhai) como eixo principal.

AS CINCO GRANDES ÁREAS GEOGRÁFICAS

1 – O mercado do leste da China, com Xangai como o centro. Xangai é a cidade mais povoada da China e conta, ademais, com uma área da influência que inclui as províncias de Zhejiang (Hangzhou), Jiangsu (Nanjing) e Anhui (Hefei)

2 – O mercado do Sul, com Guangdong como o centro.

3 – O grande mercado do Sudoeste, com Sichuan como o centro.

4 – O mercado do Nordeste com Harbin como o centro

5 – O mercado do norte com Pequim em como o centro. Tianjin é o porto principal de Pequim, enquanto Quingdao é o porto principal de Shandong e Dalian o da província de Liaoning.

CAPITAL

A capital da República Popular China é Pequim (Pequim, 22 milhões de pessoas). É o centro político, econômico e cultural da China.

Xangai é a maior cidade da China com 10 milhões de pessoas. O porto de Xangai é um dos mais importantes do mundo.

Tianjin é uma importante cidade industrial e comercial do norte da China, está a uns 120 quilômetros de Pequim, tem 5,5 milhões de pessoas. Tianjin tem um importante porto com muita atividade de importação e exportação.

Com 7 milhões de pessoas, Chongqing é o maior centro industrial e comercial da região do sudoeste da China (rio Yangtzé), limita com as províncias de Hubei, Hunan, Guizhou, Sichuan e Shaanxi.

Chongqing é um importante centro do comércio exterior (existem mais de 300 empresas do comércio exterior).

Taizhou (Jiangsu) é uma das províncias economicamente mais prósperas da China, bonita como Xangai. É a segunda província chinesa em captação dos investimentos externos diretos. Taizhou é uma das cidades que o Conselho de Estado declarou abertas ao comércio exterior, por isso, todas as suas empresas estão autorizadas a exportar e importar. Tem quase 74 milhões de pessoas.

Lianyungang, ao nordeste de Jiangsu, é uma das províncias mais desenvolvidas da China. É um grande porto de comércio internacional. Linyungang é considerada o ponto de partida do Oriente já que se encontra no extremo este da Ponte Terrestre euro-asiático, linha férrea transcontinental que enlaça com Roterdão (Países Baixos). Esta linha de 10.900 quilômetros, inaugurada em 1990, atravessa sete países (a China, o Cazaquistão, a Rússia…) com uma área da influência de mais de trinta países. As principais indústrias são: farmacêutica, alimentícia, a eletrônica, química, agrícola e os materiais para a construção.

Nantong é uma das catorze principais cidades costeiras abertas com a aprovação do Conselho de Estado e figura na lista de “As quarenta cidades chinesas com as condições mais favoráveis para o investimento”.

A província de Zhejiang está localizada na costa sul oriental da China e no sul do Delta do Rio Yangtzé. O Porto Beiluncang em Ningbo, um dos quatro principais portos de transbordo da China, pode servir navios de 300 mil toneladas. Hangzhou é a capital da província de Zhejiang. Mais de 90% das empresas de Wenzhou são empresas não estatais. É um centro da indústria do calçado.

A província de Guangdong (sul da China, 78 milhões de pessoas) é o centro do comércio internacional da China. Shenzhen, uma das áreas motor da economia chinesa encontra-se na província. As suas principais atividades econômicas são a eletrônica (primeira a nível nacional), as telecomunicações: número 1 em nível nacional (primeira a nível nacional), bombas e válvulas, os instrumentos e medições, a indústria de base, materiais de construção. Canton (Guangzhou) é a capital da província de Guangdong.