Categoria CCDIBC

porCCDIBC

Grupo de Jovens Brasil-China (GJBC) será lançado em São Paulo dia 28/11

Grupo terá agenda de eventos e fará sua primeira missão à China em março de 2018

Um inédito “think tank” jovem para uma nova etapa das relações Brasil-China

A China é o maior investidor do Brasil e seu maior parceiro comercial. Os dois países ainda se conhecem muito pouco. O intercâmbio precisa envolver muito além dos números: as pessoas! E nada melhor para aumentar essa aproximação do que os jovens e quem têm o empreendedorismo e a inovação como foco profissional e de negócios.

Por isso, a Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC) promove a iniciativa de criar o primeiro Grupo de Jovens Brasil-China (GJBC), que reunirá executivos, empresários, estudantes, acadêmicos, lideranças, agentes públicos, artistas, empreendedores e inovadores em geral.  O foco é aproximar os dois lados. E dar um novo impulso nas relações, por meio da promoção de missões, seminários, encontros, networking e novos negócios, criando uma rede de contatos e intercâmbios.

O grupo terá uma agenda de eventos e fará sua primeira missão à China em março de 2018. O lançamento será dia 28 de novembro (próxima terça-feira), às 19h30, na sede da Agência holandesa BSUR, na Vila Madalena (Rua Harmonia, 432).

Nova China

Para Aluísio Silva Jr, que presidirá o grupo, o intercâmbio deve ir além. “Numa parceria vale muito o conhecimento. E precisamos conhecer mais a China e eles o Brasil. Ter uma experiência de lado a lado”, explica Jr., relações públicas, que antecipa que a primeira atividade será a  Missão Delta China, com o objetivo de levar um grupo para conhecer de perto como a china se desenvolve e planeja seu crescimento.

Para Ivan reis, executivo da BSUR, agência que recebe o evento, a nova China está bem perto de nós. “Precisamos olhar e identificar o que é bom para os dois lados e focar em resultados práticos. Criar uma rede de networking que gere negócios. E isso depende muito da melhora na nossa comunicação com os chineses”, explica Reis, que participa de grupo de jovens da FIESP.

“Os chineses gostam muito do Brasil e dos brasileiros. Isso é um diferencial. E essa aproximação gera novas oportunidades para os jovens, suas empresas e seus parceiros”, afirma Fabrício Hu, diretor da CCDIBC, que acha a iniciativa necessária e oportuna, em função das perspectivas econômicas com a retomada do Brasil e o crescimento duradouro da China.

O evento do Grupo faz parte do lançamento do livro “China: de volta para o presente!”, do jornalista e consultor Daniel Castro, que atualmente é diretor de Comunicação da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC).

 

SERVIÇO

O lançamento tem apoio da CCDIBC, BSUR e Damatatur.

Dia 28 de novembro (terça-feira), às 19h30

Sede paulistana da agência BSUR – (Rua Harmonia, 432 – Vila Madalena).

Entrada gratuita. Confirmação pelo email: livrocastro@gmail.com

Sugestão: leve um livro (ou mais) para doação, que será revertido para clubes de leitura públicos. 

porCCDIBC

Livro sobre inserção mundial da China será lançado dia 28/11, em SP

O Livro faz uma breve reflexão sobre por onde anda a China e para onde vai o mundo…
O Evento terá exposição de fotos e lançamento do primeiro Grupo de Jovens Brasil-China
CCDIBC e BSUR assinarão parceria para Banco de Projetos Brasil-China

Os chineses não sabem que fora da China ninguém nunca ouviu falar em Zhōngguó (Terra do Centro, como significa o nome da China em mandarim). Mas quem está fora do Império do Meio tem uma certeza: algo está ocorrendo na China. Poucos (ou muitos) sabem que o Zhōngguó – o Império chinês – está voltando…

Qual o impacto desta volta para o presente? Quem ganha e quem perde? O que é possível fazer? Ser concorrente ou parceiro? Essas e outras reflexões sobre por onde anda a China e para onde vai o mundo (…)

São temas do livro “China: de volta para o presente!”, do jornalista e consultor Daniel Castro, que atualmente é diretor de Comunicação da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC).

Evento de lançamento será realizado dia 28 de novembro (terça-feira), com início às 19h30, na sede paulista da agência de comunicação BSUR (Rua Harmonia, 432 – Vila Madalena).

“METADE DO CÉU”

Durante o lançamento será aberta a exposição “Metade do Céu”, da jornalista Giulia Di Vizia, que documenta costumes e cotidiano dos arredores das principais capitais da China (Beijing, Xangai, Wuxi, Changsha, Tiajin e Guangzhou), além de Hong Kong, em mais de 30 dias de viagem. A exposição é composta por 30 quadros e 600 imagens, que estarão expostas em multimídia. O ensaio utiliza cenas da gastronomia e da história para revelar parte do que é a realidade cotidiana chinesa.

JOVENS BRASIL-CHINA

Outra iniciativa que será lançada no evento é o Grupo de Jovens Brasil-China, que reunirá executivos, empresários, estudantes, profissionais liberais, agentes públicos, representantes de entidades, que possuem grupos de jovens, entre outros. O objetivo é criar uma rede de networking e intercâmbio entre os dois países. O grupo terá uma agenda de reuniões, eventos e fará sua primeira missão à China em março de 2018.

PARCERIA BRASIL-CHINA

A CCDIBC assinará parceria com a agência de comunicação BSUR, agência holandesa que tem escritório em Xangai e São Paulo, para criação do Banco de Projetos Brasil-China (BPBC). O objetivo é facilitar a sistematização de projetos das empresas e governos brasileiros junto a fundos chineses, que são representados pela Câmara – resolvendo assim um dos grandes gargalos e entraves para fechamento de negócios.

SERVIÇO

Lançamento, expo e parcerias

Dia 28 de novembro (terça-feira), às 19h30

Sede paulistana da agência BSUR – (Rua Harmonia, 432 – Vila Madalena).

Entrada gratuita. Confirmação pelo email: livrocastro@gmail.com

Sugestão: leve um livro (ou mais) para doação, que será revertido para clubes de leitura públicos. 

Daniel Castro, jornalista

O autor trabalha com a China desde 2002. Na área internacional, trabalhou também com empresas e entidades dos EUA, Holanda, Alemanha, Inglaterra, entre outros.

Organizou diversas missões à China de jornalistas, empresários, autoridades, sindicalistas, estudantes, entre outros. Idealizou projetos importantes de divulgação da China no Brasil como as primeiras festas públicas do Ano Novo Chinês em São Paulo e no Rio. E o RioChinaDayArtes, no Rio. Realizou mais de 500 eventos e acompanhou mais de duas mil missões de chineses no Brasil. Foi criador e editor da revista Parceria Brasil-China, única revista bilíngüe (português e mandarim) que circulou no Brasil e na China. E autor do livro “Brasil-China: Uma Grande Parceria, Sim!”, publicado em 2006. Coordenou campanha de divulgação da Olimpíada de Pequim no Brasil para a Associação Cultural dos Chineses no Brasil, entre os destaques, a realização da Casa de Beijing, parceria da Associação Cultural dos Chineses no Brasil e a Prefeitura de São Paulo, que funcionou durante os jogos em Pequim, no Memorial da América Latina. Foi homenageado por esta Associação como “Personalidade em Comunicação no Brasil”, em 2010.

Organizou com o professor e jornalista José Marques de Melo, fundador da Intercom, a série Panorama da Comunicação e das Telecomunicações no Brasil, que soma três edições, com onze volumes publicados, reunindo mais de 180 textos com análises e propostas de iniciativas e políticas públicas para o setor. Rendeu ao Ipea (agente publicador) o Prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação 2012 (promovido pela Intercom e Globo Universidade) na categoria Instituição Paradigmática. Maior prêmio da área na América do Sul. Por ter sido organizador, recebeu menção Honrosa.

Atualmente é consultor em comunicação e relações internacionais, com destaque para China, além de ser diretor de Comunicação da CCDIBC.

 

 

porCCDIBC

Parceria da CCDIBC com fundo chinês é destaque no valor Econômico

Valor Econômico é o maior jornal de economia e negócios da América Latina

Reportagem com destaque na primeira página, o jornal Valor Econômico divulgou a recente parceria fechada durante os BRICS, em Xiamen, da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC) com o fundo do grupo Huayang, um dos maiores conglomerados empresariais da China.

A parceria envolve a CCDIBC representar o fundo no Brasil para apresentar projetos de empresas públicas e privadas. O grupo Huayang, como destaca a matéria, disponibilizou cerca US$ 3 bilhões para o Brasil.

Maior veículo de cobertura econômica e de negócios da América Latina, o Valor entrevistou o presidente da CCDIBC, Fabio Hu, que na matéria destacou que “a atuação da câmara como banco de projetos dará mais agilidade à concessão de funding”.

A reportagem é assinada por Luciano Máximo.

Confira a matéria completa: Web ou PDF.

porCCDIBC

Comitiva da CCDIBC é recebida pelo ministro das Relações Exteriores do Brasil

Aloysio Nunes Ferreira, chefe do Itamaraty, deseja estreitar as parcerias com a CCDIBC

Uma audiência nesta manhã (01) na sede do Itamaraty, em São Paulo, reuniu o ministro das relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, e Fabio Hu, presidente da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC).

Participaram do encontro pela equipe do ministro Ferreira a embaixadora Débora Barenboim-Salej, Chefe do Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo. E pela CCDIBC o vice-presidente Executivo Roberto Liao, do secretário geral Felipe Zhuo e de Daniel Castro, diretor de Comunicação. Também acompanhou a audiência o vereador José Police Neto, com o assessor Aluísio Silva, futuro presidente do grupo de Jovens Brasil-China, que será criado pela CCDIBC.

Novas parcerias

O ministro Aloysio abriu a reunião com um balanço rápido das relações atuais entre os dois países, com destaque da última agenda dos BRICS, em Xiamen. Para Ferreira a China é uma grande parceira do Brasil e que outros setores podem aumentar seu desenvolvimento, como no caso do setor de biocombustíveis.

Ferreira também falou da sua primeira ida à China em 1992, quando conheceu as obras inicias do metrô chinês – à época ele era o secretário dos Transportes no estado de São Paulo. E citou que a China, hoje, já possui mais de dez mil quilômetros de trem- bala.

O presidente da CCDIBC, Fabio Hu abriu a reunião agradecendo a atenção do ministro e a audiência, passo importante para aproximar a Câmara do Itamaraty. E ressaltou que a CCDIBC atua desde 2002 para promover os negócios e o desenvolvimento entre os dois países.

Fabio Hu citou os projetos atuais da Câmara, em especial o Banco de Projetos, que pretende aproximar as empresas brasileiras dos fundos de investimento chineses, dos quais a câmara representa – a partir de contratos de representação assinados durante os BRICS na China. E também sobre a recente parceria com o governo do estado para construção do primeiro Hospital Chinês em São Paulo – agenda que foi feita no último dia 30 com o governador Geraldo Alckmin e equipe.

Jovens Brasil-China

O presidente também falou da iniciativa de criar um grupo de Jovens Brasil China, com o objetivo de aproximar mais os dois povos. “A juventude é importante neste processo de aproximação. Ela tem ousadia e não tem medo de fazer novos negócios”, ressaltou Hu.

Presente na reunião estava o futuro presidente deste grupo, Aluísio Silva, jovem assessor do vereador José Police Neto. Silva considerou estratégica esta iniciativa, que teve total apoio do ministro e de sua equipe.

O vereador Police Neto destacou que a relação com a China tem avançado. E esse dinamismo precisa ser considerado. E citou a forte presença da comunidade chinesa no cotidiano da cidade. Por isso a importância desta aproximação.

Finalizando a reunião, o ministro Ferreira deixou abertas as portas do Itamaraty, bem como da Apex, órgão de promoção do Brasil no Exterior e da Embaixada na China, para parcerias com a CCDIBC.

O presidente Hu entregou presentes para o ministro e sua equipe. Agradecendo a audiência e ressaltando que ela será importante para que se avance em áreas que ainda não estão desenvolvidas e abrir espaço para outras que são complementares, no que confirmou o pensamento do ministro.

 

porCCDIBC

Alckmin recebe comitiva chinesa em agenda organizada pela CCDIBC

Missão da área de saúde quer expandir o uso da medicina tradicional chinesal. Na agenda a CCDIBC apresentou o projeto de construção de um complexo de saúde chinês em São Paulo

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin recebeu hoje (30) uma missão liderada pelo vice-ministro Wang Guoqiang, da Comissão Nacional de Planejamento de Saúde Familiar, administração Central do governo da China.

A agenda foi organizada pela Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC), liderada pelo presidente Fabio Hu, com a participação do diretor Roberto Liao (Relações Internacionais), de Felipe Zhuo, Secretário Geral e de Daniel Castro, diretor de Comunicação.

Parceria Brasil China em Saúde

O vice-ministro Guoqiang agradeceu a recepção do governador e fez uma breve explanação sobre a iniciativa do governo da China em promover a Medicina Tradicional Chinesa no mundo. Inclusive, ele citou que já ocorreram reuniões com a presença dos ministros da saúde dos países que compõe os BRICS, para que as parcerias sejam feitas. Ressaltou que a visita ao Brasil, em São Paulo, busca estreitar esse contato e tentar fechar parcerias.

O governador, que é médico, lembrou que estudou acupuntura durante três anos e que acha fundamental esta parceria e apoia esta iniciativa.

Por parte do governador também estive na reunião a sra. Ana Paula Fava, assessora especial da área internacional, que articulou a reunião junto com a CCDIBC.

Hospital Chinês

Liderado pela CCDIBC, o governador e o secretário de Saúde, David Uip, conheceram o projeto básico de construção de um hospital chinês no estado, antigo sonho da comunidade chinesa em São Paulo, a maior do Brasil, com cerca de 300 mil pessoas.

O governador e o secretário apoiaram a ideia e se colocaram a disposição para dar as condições necessárias para o projeto avançar.

Em linhas gerais o projeto prevê um complexo que reunirá Hospital, shopping, área de medicina chinesa e ocidental, com 250 leitos, 50 de UTI e 7 centros cirúrgicos, com espaços para praticas orientais, entre outros.

E pretende revitalizar uma área degradada no centro ou em outro espaço indicado pelo governo.

Para o presidente da CCDIBC, Fabio Hu o projeto “nasce como um grande sonho que pode virar realidade. E conta com o apoio da comunidade chinesa, de médicos chineses e da associação de acupuntura”, destacou.

Reunião

O encontro contou com a participação da Cônsul-geral em São Paulo, sra. Chen Peijie. E da sra. Hui Qing, presidente da Associação de Acupuntura do Brasil.

A delegação chinesa é composta:

Yu Jingjin, Director General, Disease Control Bureau, National Health and Family Planning Commission of the People‘s Republic of China; Wang Xiaopin, Director General, International Cooperation Department, State Administration of Traditional Chinese Medicine; Nie Jiangang, Deputy Director General , International Cooperation Department, National Health and Family Planning Commission of the People‘s Republic of China; Lu Ming, Director, European an American Office,International Cooperation Department, National Health and Family Planning Commission of the People‘s Republic of China; e Ren Hengqin, Secretary, General  Office, National Health and Family Planning Commission.

Após reunião, o grupo fez troca de presentes com as autoridades e uma sessão de fotos oficiais com o governador e conheceu o Palácio dos Bandeirantes, seu acervo histórico de arte.

Medicina chinesa em alta

Desde a chegada dos chineses em São Paulo muita coisas evoluíram e a China, hoje, é um dos países que mais crescem no mundo. Mas boa parte deste avanço ainda está vinculada à indústria de setores como energia, construção e agronegócio. Uma parte importante desta nova indústria chinesa é a área de Medicina Tradicional Chinesa (MCT).

 

Com abundantes fontes de material de ervas terapêuticas chinesas (12.807 tipos) e mais de 100.000 fórmulas patenteadas, há grande espaço de desenvolvimento para novas drogas ou produtos de cuidado com a saúde, com potencial aumento de mercado. As drogas naturais representadas pelos produtos médicos chineses têm começado a se tornar popular no mundo.

 

O volume de negócios anuais ultrapassa 80 bilhões de dólares. A estimativa é que o mercado dobre nos próximos anos. É também uma nova tendência a substituir drogas químicas por drogas naturais, e isto também será um importante valor da MTC no desenvolvimento moderno.

 

Alckmin recebe comitiva chinesa em agenda organizada pela CCDIBC

 

porCCDIBC

Uma nova China, uma nova Câmara

 

 

Fabio Hu
Empresário, Presidente da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Brasil-China

O Brasil tem uma relação com a China que muitos brasileiros desconhecem. Muitos pensam ainda no Brasil que a China não é um bom parceiro e que o Brasil compra produtos de baixa qualidade e vende soja e minério de ferro.

Muito deste pensamento decorre de uma realidade nacional, que não tem nada a ver com a China, ou com qualquer país que tenha negócios com o Brasil.

O Brasil vende seus produtos e os países compram. É uma máxima comercial milenar.

Poucos brasileiros sabem que as relações Brasil-China são boas para ambos. Vamos imaginar quem no mundo poderia absorver as vendas do Brasil em minério de soja, por exemplo? Quantos empregos geram esta cadeia produtiva? O que elas representam para a balança de pagamento?

A China é a maior compradora e investidora do Brasil, na atualidade. E já atua no Brasil com várias de suas empresas, em vários setores, gerando emprego aqui e mais renda para o país. E não se limita a soja e minério. Há muitas parcerias tecnológicas.

Por isso um desafio prioritário é aproximar mais ainda os brasileiros e chineses. E para esta tarefa é necessária uma nova postura no relacionamento entre os dois países.

Dessa forma, a Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC), da qual sou o presidente, e que atua desde 2002, com vários serviços prestados para o desenvolvimento dos negócios, entra numa nova fase e planejamento.

Nosso objetivo é criar um grupo forte de empresas dos dois países, com foco claro em projetos. Em auxiliar nas tratativas para novos negócios.

Nossa nova missão:

Promover uma Nova Rota Brasil-China com foco na inovação e na tecnologia para o desenvolvimento mútuo, geração de emprego e renda. E na aproximação das culturas e de seus povos. Buscar intercâmbios com base em projetos e resultados concretos. Nas esferas públicas e privadas. Ser uma nova Estrada, dentro de um novo Cinturão que engloba uma nova estrutura de progresso, crescimento e desenvolvimento”.

Nossa visão:

O Brasil e a China são parceiros estratégicos e possuem complementariedades nas suas relações comerciais e culturais. Podem e devem aumentar essa aproximação para o bem de seus povos”.

Nossos valores:

Criar um ambiente de negócios que tenha como premissas a sustentabilidade, a atenção para o meio ambiente, a troca de experiências, a parceria mútua, a geração de resultados práticos, a consolidação de uma nova forma de desenvolvimento, com bons resultados para ambos, dentro de um contexto de inovação e empreendedorismo, com planejamento e metas.”

Com esta nova Missão, novos Valores e Visão, a CCDIBC inaugura esta nova fase, pois tem claro que a conjunta favorece um novo patamar para as relações Brasil-China.

Nosso objetivo é envolver estes parceiros e dar a estrutura necessária para que esse patamar seja alcançado.

Então convido a todos os empresários, as autoridades dos dois países para participar desta nova era e rota dos negócios.

Viva o Brasil! Viva a China!

 

 

Empresário, Presidente da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China

Empresário, Presidente da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China