Arquivo mensal maio 2018

porCCDIBC

CCDIBC faz agenda com grandes players na China

Missão liderada pelo presidente da CCDIBC, FABIO HU participa de grandes encontros com o governo, empresários e investidores

A China está no centro do interesse do mundo. E ter espaço neste momento global chinês é o desejo de todos os países. Com o Brasil não é diferente. Por isso a CCDIBC cumpriu agenda com importantes players chineses, desde governos e investidores, passando por empresas e centros tecnológicos. Nas cidades de PEQUIM, SHENZHEN, FUZHOU, ZHEIJIANG, DONGGUAN E XIAMEN.

Na agenda da missão foram feitas parcerias para novas rodadas de investimentos no Brasil, com encontros importantes com a direção do CHINA EXIM BANK – THE EXPORT-IMPORT BANK OF CHINA, tendo a frente o seu PRESIDENTE, YONGXIANG ZHANG, e seu SECRETÁRIO-GERAL, XUGUO WANG. O que permitirá a CCDIBC abrir para o Brasil novas oportunidades de negócios e crédito para projetos.

Outra grande parceria fechada é a participação, com exclusividade, no ITTC 2018, maior fórum de transferência de tecnologia transnacional da China, que será realizado em Pequim, em setembro. A CCDIBC terá um dia especial para promover novos negócios do Brasil, principalmente em inovação e tecnologia, para uma plateia presente no evento que reúne os maiores investidores da China. Este fórum faz parte da estratégia da Nova Rota da Seda – Belt and Roud.

Brasil na China

Outro importante acordo dará a CCDIBC a representação de projeto que pretende criar na China o primeiro centro de exposição do Brasil. Que ficará na região metropolitana de Pequim. Um investimento que mudará o contexto de relações comerciais, aproximando as empresas, governos e empreendedores dos dois países.

Para o presidente da CCDIBC é um passo importante esta nova dinâmica de negócios entre a China e o Brasil. “Esta missão foi estratégica. Conseguimos reunir empresários e representantes de governos no Brasil com figuras importantes da China. Num momento de muitos projetos e

novos investimentos. Nossa Câmara, mais uma vez, sai na frente”, explica Fabio Hu, que volta animado com este novo momento para as oportunidades e geração de divisas.

Para o vice-presidente da CCDIBC, ROBERTO LIAO, as perspectivas são as melhores. “Estamos avançando para grandes negócios e muitas formas de financiamento. O que falta no Brasil é projeto. E vamos organizar esta etapa, para abrir novos mercados”, afirma.

Para a secretária-geral da CCDIBC, ANDREIA WANG, as possibilidades e oportunidades estão dadas. “O Brasil tem tudo para ganhar e a China também. Vamos ser esta ponte, agora com mais estrutura e novos parceiros”, explica Wang, que é responsável pela parte China da CCDIBC.

Escritório em Pequim

Outra novidade fruto da missão foi à parceria para inauguração de novo escritório da CCDIBC em Pequim. Esta nova unidade será estratégica para atração de empresas e governos do Brasil. O diferencial de ter agentes preparados para prospectar e para organizar agendas bilaterais de negócios. Pesquisa de mercado e novos projetos.

Ainda em Pequim, o presidente da CCDIBC Fabio Hu teve importante agenda com o embaixador do Brasil na China, Marcos Caramuru de Paiva. Na pauta uma parceria para dar suporte para os dois países em negócios e eventos. O embaixador acha importante trabalhar com a CCDIBC, pois as possibilidades são muitas e quanto mais gente trabalhando melhor.

“O Brasil precisa de ajuda para promover seus negócios e a Câmara está à disposição do embaixador. Vamos fazer muitos trabalhos juntos”, afirma Fabio HU.

Foco no meio ambiente

Outro destaque da missão é a parceria para trazer usinas e caminhões de tratamento de lixo. Uma realidade das novas tecnologias chinesas. A CCDIBC representará uma fábrica de FUJIAN, a FUJIAN PAUL INVIRONMENTAIL ENERGY CO. “A questão das novas tecnologias em meio ambiente possuem, atualmente, condição de prioridade na China, com

liderança do presidente Xi Jiping. E caberá a esta nova parceria implementar este novo modelo de tratamento de lixo, o que favorecerá as políticas públicas e privadas para combater este problema”, afirma Fabio Hu, que atende com esta parceria uma demanda de muitas cidades brasileiras que buscam na CCDIBC formas de resolver o problema do lixo nas cidades do Brasil.

porCCDIBC

China lança com sucesso satélite Gaofen-5 de monitoramento ambiental

Pontualmente às 2h28 do dia 9 (horário de Beijing), a China lançou com sucesso o satélite Gaofen-5, um equipamento de imagem hiperespectral, como parte de seu projeto de observação da Terra de alta resolução. O satélite Gaofen-5 foi lançado por um foguete Longa Marcha 4C, a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, na Província de Shanxi, no norte do país. O satélite será usado para monitoramento ambiental abrangente, exploração de recursos de terrenos e detecção de elementos meteorológicos, entre outras áreas. Ele ajudará a reduzir a dependência da China dos dados de satélites hiperespectrais estrangeiros.

O projetista-chefe da série Gaofen, Tong Xudong, afirmou que o Gaofen-5 é equipado com seis itens de observação avançadas, como câmera hiperespectral infravermelho de onda curta e um detector de gases de efeito estufa.

“É o primeiro satélite hiperespectral de espectro total do mundo para observação abrangente da atmosfera e da Terra. Tem a maior resolução espectral entre os satélites de sensoriamento remoto da China.”

Segundo informações, o satélite é capaz de obter dados espectrais de radiação infravermelha ultravioleta a onda longa, e detectar de forma abrangente os elementos ambientais e meteorológicos, como gases de poluição atmosférica e gases de efeito estufa, entre outros.

O oficial do Ministério de Ecologia e Meio Ambiente, Wang Qiao, disse que o Gaofen-5 consiste em um símbolo importante da capacidade de observação da Terra de alta resolução da China.

“O lançamento deste satélite é de grande importância para o monitoramento dinâmico da poluição atmosférica na China, e também pode desempenhar um papel importante no controle da poluição da água e na supervisão ambiental.”

Segundo informações divulgadas pelo governo, os dados dos satélites do projeto da China têm sido amplamente aplicados em mais de 20 indústrias e 30 províncias (regiões autônomas e municípios), tornando-se um meio indispensável para a execução dos trabalhos dos departamentos relacionados.

Em relação à cooperação internacional, o projeto também se tornou uma importante ligação para intercâmbios e cooperações.

“O projeto promoveu efetivamente a assinatura e implementação de acordos de cooperação e memorandos de entendimento entre a China e a Rússia, China e o Brasil, além China e o Egipto e entre a China e a Índia. No Dia Aeroespacial deste ano, foi divulgado ao mundo o plano de cooperação internacional do satélite Gaofen-5. O país também convidou organizações e instituições internacionais para realizar cooperação internacional com o satélite Gaofen-5”.

Tradução: Cecília Ma

Revisão: Rafael Fontana

Fonte: http://portuguese.cri.cn

porCCDIBC

Comércio exterior da China torna-se mais equilibrado em abril

Dados divulgados no dia 8 de Maio pela Administração Geral das Alfândegas (AGA) da China mostram que, em abril, o valor total das importações e exportações da China totalizaram 2,36 trilhões de yuans, um aumento de 7,2%. O superávit comercial foi de 182,8 bilhões de yuans. Especialistas afirmaram que o comércio internacional da China se tornou mais equilibrado.

Em abril, o valor total das importações e exportações da China continuou a crescer. As exportações aumentaram 1,27 trilhão de yuans, um aumento de 3,7%, enquanto as importações alcançaram 1,09 trilhão de yuans, um aumento de 11,6%. O vice-diretor do Instituto de Mercados Internacionais da Academia de Comércio Internacional e Cooperação Econômica da China, Bai Ming, disse que os resultados conquistados demandaram esforços profundos.

“Em abril, o crescimento do comércio internacional se manteve dentro de um intervalo moderado. O crescimento das exportações foi um pouco mais lento, em contraste com o crescimento mais rápido das importações. A economia mundial está se recuperando gradualmente, mas ao mesmo tempo o protecionismo comercial está muito acentuado, nossas exportações estão realmente sob pressão. Neste ano, o renminbi se valorizou significativamente em comparação com o mesmo período do ano passado, por isso não é fácil para as exportações alcançarem esse crescimento”.

Os dados também mostram que as importações e exportações da China para os principais parceiros comerciais continuam a crescer. Entre eles, as taxas de crescimento das importações e exportações com alguns países ao longo do Cinturão e Rota são mais rápidos. Nos primeiros quatro meses deste ano, a União Europeia, os Estados Unidos e a ASEAN continuam sendo os três principais parceiros comerciais da China. O diretor da Divisão de Estatísticas Integradas da Administração Geral das Alfândegas da China, Huang Songping, abordou essa dinâmica.

“Desde que a iniciativa do Cinturão e Rota foi apresentada, a cooperação econômica e comercial entre a China e os países ao longo das rotas continuou a se aprofundar. Este ano, sua taxa de crescimento comercial é maior do que o nível geral de importações e exportações da China”.

Nos últimos meses, o superávit comercial da China continuou a mostrar uma tendência de estreitamento. O vice-diretor do Instituto de Comércio Exterior da Academia de Comércio Internacional e Cooperação Econômica da China, Liang Ming, afirmou que o movimento mostra que as importações e as exportações da China priorizaram o desenvolvimento equilibrado.

“Atualmente, estamos dando mais atenção ao desenvolvimento equilibrado das importações e exportações. No ano passado, aumentamos nossos esforços na importação. E ao mesmo tempo, estamos preparando a exposição de importadora, que será realizada em novembro. A reunião do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China propôs no mês passado medidas para expandir a demanda doméstica, solicitando maior expansão da escala de importações. Acho que o superávit tende a ficar menor”.

Tradução: Cecília Ma

Revisão: Rafael Fontana
Font: http://portuguese.cri.cn